3 de nov de 2009

Bryan Ferry: These foolish things (1973)


A estréia do genial líder do Roxy Music como cantor solo foi abençoada por um discaço de covers. Vocês podem muito bem alegar "Porra Blimbou, é só pegar grandes sucessos dos outros e pronto!", como se a coisa fosse fácil. Mas não, aí que mora o perigo... o artista fica sob a sombra da obra original e tem que dar seus pulos criativos para poder dar uma nova roupagem para as canções.

Isso Ferry conseguiu com louvor! O seu vocal ágil e seu timbre dão um tom tão pop e legal, que as canções acabam parecendo suas!!! Tal coisa só vi com David Bowie. Falando no camaleão, ele também tem um disco chamado "Pinups", que curiosamente, foi lançado no mesmo dia (the same fucking day!!!) de "These foolish things". Fico imaginando um fã de glam rock chegando na loja no dia do lançamento, tendo em seu bolso dinheiro só para um disco e ter que escolher entre o camaleão e Ferry (que sacanagem isso!).

Conversas furadas de lado... o disco conta com 10 pérolas, sim... 10! Adoro esse número, fica mais fácil para dar uma nota no final. O disco abre com "A hard rains gonna fall" de Bob Dylan com um estilão bem legal e bem alegre, ou seja, bem rock n roll no melhor estilo vocal "Virginia Plain".

"Don't ever change" e "You won't see me" mostram todo o apreço de Bryan Ferry com o som de 60, a diferença está nos arranjos bem mais limpos e altos que os equipamentos de 70 promovem.

Uma das versões mais legais desse disco é "Don't worry baby" dos Beach Boys, que apesar de ser uma cover de uma canção de 60 lançada em meados de 70 poderia muito bem tocar em um baile da década de 80! Basta conferir a atmosfera meio Jesus & Mary Chain, Ferry tinha mesmo visão.

Eu gostei muito do baixo de "Sympathy for the devil", o cara que toca é bom! Gostei também do uso dos instrumentos de sopro no refrão, além de crescer a canção foi usado na hora certa. É raro ver o bom uso de sax ou trompetes ou seja lá o que for na canção certa e na hora certa. Costumo usar "Whatever gets you thru the night" de John Lennon como exemplo bem sucedido. Outra digna de baile é "I love how you love me", com direito a saxofones (na hora certa também).

A versão para o sucesso do Four tops "Loving you is sweeter than ever" é realmente emocionante e bem arranjada. Não lembro onde ouvi a versão original, certamente deve ter sido em algum filme... mas tudo bem, sempre é bom revistar esse tipo de informação.

Ao contrário de muitos cantores, Ferry não fazia o tipo "rock urbano" ou "folk", e sim, um estilo cosmopolita do pop, realizando um "mosaico do mainstream" sem ser refém da necessidade comercial (eita porra que loucura!). Acho que no final das contas, ele queria ser um pouco de cada... uma espécie de Elvis multi-uso (basta conferir o visual na capa). "These foolish things" (apesar do nome, não se trata de coisas idiotas), é uma verdadeira apologia ao pop, rock e seus heróis.

God save Ferry!

NOTA: 10

Atenção! Próximo Post ... David Bowie!!!

P.S.: Outro dia o meu amigo Xandre disse que Ferry está igual ao Getúlinho na capa... até que lembra mesmo!


4 comentários:

Manô disse...

Eu digo que ele estava tipo Tony Manero em frente ao espelho, imitando Al Pacino.

Eba, post do David!!!
(sabia que, entre outros e outras, ele pegou a mãe do Slash também?!)

Blimbou disse...

Essa do Tony Manero foi boa

Marcelo Larrosa disse...

Alguém sabe onde baixar?

Blimbou disse...

eu perdi o link depois que postei.
mas recomendo o disco

Related Posts with Thumbnails