21 de jun de 2010

Lady Gaga: The Fame Monster (2009)


Sim, bateu a curiosidade e eu tive a pachorra de ouvir a tão falada Lady Gaga. Baixei o negócio e resolvi encarar o monstro da fama de frente, porque por de trás até que ela não vai mal (vcs sabem do que eu to falando). Bem, todos sabem que ela não para de tocar... toca na tv, nos rádios, nos celulares... outro dia eu levantei a tampa da privada o refrão de "telephone" de lá de dentro... se bobar até as latas de skol podem vir com isso, tudo é possível.

Então, em função de tanta histéria e comoção popular, resolvi procurar saber o porque que essa figura tão enigmática e ao mesmo tempo caricata tem de tão envolvente ao ponto de fazer tanto sucesso. É o que vamos saber agora...

Lady Gaga é uma mistura feita a partir de: 1 madonna inteira, tá imaginação perfomática-roupas-maquiagem de David Bowie, umas batidas eletrônicas de Depeche Mode e New Order... e muito oportunismo em função da falta de ídolos dos anos 00. "The Fame Monster" é o segundo disco da nossa diva em destaque, tanto o primeiro quanto o segundo foram muito bem recebidos pela "crítica" (os caras dão notas altíssimas), com direito a grammy e todo o mais. Entretanto, se dependesse de mim, ela não ia ganhar droga nenhuma de grammy, apenas um aperto de mão e uma encoxada bacana.

Falando do disco... quem vive em função de hits, vai ter um clímax logo após ao dar o "play" no seu aparelho de mp3, pois o disco abre com "Bad romance". Tem um refrão que gruda... sim, gruda pior do que superbonder. "bad romance" segue uma fórmula matemática que Gaga usa em seus grandes sucessos, a qual é a seguinte:

- ela canta uma parte com a sua voz alterada por filtros eletrônicos;
- vem uma preparação;
- Refrão altamente elaborado (certamente tem acompanhamento de pesquisadores especialistas no ramo da hipnóse);

Assim fica se repetindo... e repetindo.

Para o azar desses ouvintes, as músicas que seguem são umas nojeiras eletrônicas sem noção, música no melhor estilo daqueles adolescentes metidos a americanos que vivem vendo MTv ou para tocar o dia inteiro nas lojas da C&A (vcs já reparam quanta merda toca lá? sempre que vou ver roupas lá sou o mais breve o possível). Até Lady Gagaúcha já tem! Quando vi na tv pensei que fosse um travesti, nada contra a Gagaúcha, é que hoje em dia tá f... os travestis tão cada vez mais parecidos com mulheres, tem que se recorrer a técnica de identificação do Crocodilo Dundee para não passar por apuros.

Senão me engano, a canção que segue é "Alejandro", algo meio Madonna... ela curtia esses papos de touradas, homens hipânicos, crucifixos e etc.. O clipe é prova disso.

Para minha surpresa, o disco não é só dance-pop-eletro... tem "Speechless"... a SALVAÇÃO! Hoooray!!! Que música bacana! Nem acredite que aquilo tava num disco da Lady Gaga! Parece que os espíritos de Freddie Mercury e John Lennon vieram dar um "toque" nela, e saiu essa bela canção. "Pera lá Blimbou, que papo é esse?", tudo bem, não é o mais novo clássico do rock e nem sequer a a melhor canção que eu tenha ouvido esse mês, mas para que tava ouvindo o que vinha rolando no disco e se depara com uma canção que quebra todas as correntes e gessos do pop que atrofiavam a nossa heroína, veio como uma agradável surpresa no final das contas (o que ajudou na nota que eu dei).

"Telephone" é uma canção, interessante do ponto de vista técnico, pois é bem arquitetada e seus sintetizadores variam muito e aparecem oportunamente no momento certo. Mas creio que é uma canção que depois que passar a febre, cairá no esquecimento, tal como "I got a feeling" do Black Eyed Peas que só veio ser ressuscitada em função da abertura da copa do mundo. Pra piorar o carinha da transmissão ainda disse "I got a feeling" era o hino dos anos 00... que década péssima você teve colega... sorry.

Uh lá Uh lá lá Gaga Blimbourance...

NOTA: 2,8


17 de jun de 2010

O clone: Los Hermanos x Audioslave



As capas de "Ventura" e "Out of Exile" tem um ar de continuação uma da outra...


6 de jun de 2010

O dia em que Reed colou


Na cabeça de Blimbou, somente uma banda em toda a história estava acima do bem e do mal, do doce e salgado, do puro e lascivo, do certo e do errado, do ... ah poha, vc entendeu! Então, o Velvet Underground do nosso amigo Lour Reed era essa banda. Mas você me pergunta "Mas que pirocas Bimblou, você é tão caidão pelos Beatles, o que deu de errado?", a questão é que até mesmo o fab four já colou na vida basta pesquisar sobre a história de "Come together".

Pois bem, o clássico disco da banana conta com uma canção da pesada chamada "There she goes again", que até o REM fez cover. Eu conheci o Velvet e passei a achar que os caras eram tudo aquilo da primeira linha do post.

Ouça aqui a versão do Velvet:


Alguns anos depois de eu conhecer o Velvet (uns 10 anos, não lembro exatamente), mas quando adquiri o cd "December's children" dos Stones. Para minha surpresa, os 4 segundos iniciais da canção "Hitch hike" me fez achar que havia colocado o cd do velvet por engano.

É incrível como as introduções são idênticas, e não hesito em dizer que Reed colou. Colou sim, não podemos dizer que ele tirou do original de Marvin Gaye de 1962, porque não foi mesmo. Os Stones deram a cara de rock que Hitch Hike precisa.

Ouçam...


e até mais.

Related Posts with Thumbnails